segunda-feira, 16 de julho de 2018

Interior (em coma) profundo

Décadas de fundos comunitários e muito pouco tem sido feito para tornar o interior uma região competitiva. A cada governo, um punhado de medidas paliativas vocacionadas, apenas e só, para o momento eleitoral seguinte, portanto inconsequentes. Hoje, como ontem, falta o essencial; fazer do interior uma região viável para pessoas e empresas. Sem o Estado presente, sem uma economia forte, sem rede de transportes, sem oferta de emprego, sem acesso a tecnologia, sem ensino superior que investigue e dê resposta às necessidades regionais, podem anunciar as medidas que entenderem, que a população continuará a pagar portagens para sair.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Exceptuando casos de linguagem imprópria, todos os comentários serão aceites.