quinta-feira, 3 de julho de 2014

CDS-PP


Estamos nas últimas horas da campanha para a liderança do CDS-PP Viseu importa saber o que fica.
 
O que correu bem?
Pela primeira vez em bastantes anos apresentaram-se duas listas.

O que correu mal?
À excepção de campanhas de lista única, para a história fica a campanha mais fraca a que esta cidade teve o prazer de assistir, o que não é pouco se tivermos em conta o histórico recente dos partidos com lugar de vereação. Apelidar uma troca de comunicados como "campanha" só como manifestação de boa vontade.  
 
O que faltou?
Bem, faltou o essencial da actividade política: a troca de ideias, o debate e a apresentação de alternativas.
 
Mas não apresentaram ideias?
Sim apresentaram, em pouca quantidade e nada de relevante. 90%  do que foi escrito tinha lugar numa candidatura do PS ou PSD, não sendo por isso distintivo.
 
O CDS-PP perdeu assim uma grande oportunidade de mostrar:
i: Que os resultados nas últimas autárquicas não foram fruto do acaso (saída de Fernando Ruas e o nome de Hélder Amaral).
ii: Que finalmente tinha ultrapassado o marasmo dos últimos (largos) anos tendo criado uma dinâmica interna positiva.
iii: Que era um partido com alternativas reais (internas e externas).
 
Independentemente da lista que sair vitoriosa o partido falhou rotundamente em todos os pontos acima apresentados.
 
Certamente que este não terá sido o epitáfio da direita local, mas pode estar para breve a não ser que este patinho feio do conservadorismo, a bem da cidade e de uma direita liberal-clássica ou pós-moderna, se reinvente.

12 comentários:

  1. Se me permite, transporto para aqui a minha publicação no FB:

    Ó Miguel Fernandes, concordo como o seu diagnóstico:
    o CDS-Viseu "falhou rotundamente" nestas eleições para a concelhia.

    Discordo das razões que apontou: o CDS-Viseu "falhou rotundamente" unicamente porque as 197 rotundas da cidade são difíceis de evitar.

    ResponderEliminar
  2. Parece que o arrumar da casa de um partido pequeno em Viseu, incomoda muita gente. Caso não tenham reparado Nós no CDS não temos por habito criticar parceiros e utilizar vexames públicos quando se trata de debate interno da concelhia, ao contrario do que acontece nos tubarões desta cidade.
    Se perdessem era tempo a ser construtivos para esta cidade em vez de se meterem na vida dos outros, é que vocês estavam bem...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os partidos, mesmo os pequenos, crescem na diversidade. Algo está errado quando se confunde troca de ideias, debate e apresentação de alternativas com "não ter o habito criticar parceiros e utilizar vexames públicos".

      Há uma grande diferença entre debater e vexame, bem como entre apresentar alternativas e criticar, não perceber isto é ter uma visão muito redutora do que deve ser a a vida política.

      Há muitos regimes em que não se realizam debates de modo a não se colocar em causa o que é feito perante o resto da comunidade internacional, o que todos esses países têm em comum é o facto de nenhum deles ser uma democracia. A mesma linha de argumentação também é comum no PCP (que é, como todos sabemos, um bom exemplo de partido pequeno e "arrumado"), pense nisso meu caro.

      Eliminar
  3. Caro Miguel Fernandes, não o conheço mas... clap, clap, clap! Muito bem. é isso mesmo.

    ResponderEliminar
  4. VOU TRANSCREVER ISTO:

    «Há uma grande diferença entre debater e vexame, bem como entre apresentar alternativas e criticar, não perceber isto é ter uma visão muito redutora do que deve ser a a vida política. »

    PORQUE SUBSCREVO!

    ASSINA:ANÓNIMA!(e não é pra chatiar ninguém...)

    ResponderEliminar
  5. Miguel, a diversidade de listas é de enaltecer, pois é uma conquista democrática do CDS-PP em Viseu nos últimos 15 anos (corrige-me se estiver errada). Nesta campanha, faltou essencialmente um plenário concelhio para que as duas candidaturas tivessem oportunidade de apresentar as suas ideias, quanto "ao essencial da actividade política", só se pode verificar com a anuência dos candidatos a sufrágio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Elisa, para esta eleições o CDS apresentou dois candidatos o que é revelador da qualidade democratica de um partido que tem vindo a crescer desde as ultimas autárquicas. Mas, ou muito me engano, ou só um dos candidatos estava realmente em condições de debater visto que tinha um programa e um projecto para os próximos dois anos. O outro por motivos que desconheço apenas apresentou uma lista com nomes onde consta o teu também a que acrescentou meia duzia de lugares comuns por ideias, o que de facto é muito pouco para quem liderar um partido.

      Eliminar
    2. Figueiredo, de facto o CDS-PP tem vindo a crescer, concordo. Quanto aos candidatos estarem em condições de debater ideias (hoje já se sabe quem foi o vencedor), discordo em absoluto com o que dizes e tu próprio sabes qual o candidato que melhor preparado estava para debater ideias, deixemo-nos de hipocrísias. O facto de um dos candidatos (com todo o respeito que tenho pela candidata em questão) ter apresentado um programa, para mim demasiado demagógico, não implica que o mesmo estivesse por dentro dele e tu sabes do que falo, Figueiredo.

      Eliminar
    3. E já agora aproveito para deixar os parabéns à Joana Couto de Sousa e sua equipa.

      Eliminar
    4. É melhor mesmo deixarmo-nos de hipocrisias. A imprevisibilidade da democracia é que lhe dá beleza.

      Eliminar
  6. E AGORA VEJO QUE (já) ESTAMOS A DEBATER IDEIAS:GOSTO!:)

    ASSINA:ANÓNIMA!(e não é pra chatear ninguém...)

    ResponderEliminar

Exceptuando casos de linguagem imprópria, todos os comentários serão aceites.