quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Da Tribuna [Jornal do Centro]



1.       Não há eleições sem sondagens, tal como não há bruxas sem bolas de cristal.” Era mais ou menos assim que, às 08h, de um Outono de 2007, que começava mais uma aula de Estudos Eleitorais. Chego a 2013 e confirmo, a academia não anda a dormir. Mais umas eleições, mais umas sondagens, mais uma visita à Maya -caro leitor, nunca negue à partida uma ciência que desconhece. A última sondagem atribui 48% a Almeida Henriques; 35,8% a  José Junqueiro; 7% a Hélder Amaral; 3,5% à Manuela Antunes; e 2,6% a Francisco Almeida. Calma meus caros, moderem o vosso entusiasmo. Não há vencedores antecipados. Em relação às sondagens, não sendo crente também não sou agnóstico. Uma sondagem é um estudo estatístico que, pela sua própria natureza, mesmo ponderando as mais diversas variáveis, será sempre incerto. Arrisco afirmar que, por vezes, é ténue a linha que separa algumas sondagens das previsões do falecido polvo Paul [2008-2010; como a vida pode ser curta para um cefalópode]. Em noites eleitorais grandes vencedores deram miseráveis derrotados e derrotados da vida emergiram estadistas. Agora, vamos entrar na cadeira de história. Convido-vos a recuar um pouco no tempo e a viajar umas milhas: Segundo a Eurosondagem, nas eleições presidenciais de 2006, Mário Soares tinha larga vantagem sobre Manuel Alegre, e o resultado…; não quero ser picuinhas mas também recordo Rui Rio versus Fernando Gomes, 2001; como não recordar Paulo Rangel frente a Vital Moreira nas eleições Europeias; agora, vamos mais longe, vamos saltar fronteiras e viajar até 1992, no Reino Unido, quando os conservadores ganharam com um avanço sobre os trabalhistas – os vencedores segundo os “estudos de opinião”. A falha essencial das sondagens reside na diferença entre a intenção [de voto] e a acção [votar efectivamente]. A separar uma da outra pode estar um oceano de razões.

2.    Há algo intrigante no sloganCompromisso com Viseu”. Alguém, provavelmente um realista, disse que um bom compromisso é aquele em que ambas as partes ficam descontentes. Esse alguém, hipoteticamente, estaria a falar de relações amorosas ou de uma mera transacção comercial. Acontece que, por diversas ordens de razão, às eleições não devemos associar o mesmo tipo de características que atribuímos às relações ou a transacções comerciais. Relativamente ao discurso político, fartos que estamos de gato por lebre, devemos exigir mais, devemos esmiuçar as palavras de modo a evitar quaisquer equívocos. Sendo este compromisso o suficientemente vago para significar muito ou não significar nada, lá fui ao dicionário. Para quem não conhece, o dicionário, é uma obra recomendável que, sem fazer juízos de valor, salta, sem delongas, directamente para as conclusões –nada precipitadas- então um compromisso é: “uma forma de criar um vínculo ou de assumir uma obrigação com alguém, com um objectivo”. Volto ao mesmo ponto, enquanto slogan político, compromisso, continua a parecer-me vago. Porém, no último domingo, as dúvidas foram afastadas e ficou definido o nível de comprometimento de Hélder Amaral: Caso seja eleito assume o lugar. Assunto esclarecido. Resta esperar que José Junqueiro, sem engulhos de Miguel Ginestal 09, assuma o mesmo tipo de compromisso com o eleitorado [socialista e não socialista] e com a cidade. Caro José Junqueiro – agora, escrevo directamente para o meu amigo-, o sloganSó desisto se for eleito” apenas parece resultar com o candidato Vieira e Viseu merece ser esclarecida antes de uma ida às urnas. Não acha?

2 comentários:

  1. Concordo inteiramente com o que escreveu sobre sondagens , valem zero e muitas fazem parte do marketing politico até porque os próprios partidos as encomendam embora as não divulguem (ás vezes). Obviamente o que gostaria de ver analisado por muitos dos experts em sondagens era qual a real expressão em mandatos da abstenção (que não é senão uma demonstração do estado do País) e votos nulos / brancos.
    Desde há muitos anos a abstenção tem sido a verdadeira vencedora das eleições mas só escrevem uma linhas de rodapé sobre isso.
    Quanto ao PS e JJ , a derrota é certa pois o facto de não assumir a vontade de ficar e cumprir o mandato já lhe tirou qualquer hipótese que tivesse.
    Creio que estas eleições serão uma surpresa a nível nacional pois acho que o PSD / CDS perderão por muito poucos fruto da guerrilha civil que instalaram na sociedade e normalmente dividir para reinar dá frutos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As sondagens têm muitas variáveis e nem sempre levamos isso em atenção. Foi o que quis dizer.

      Ab, caro amigo.

      Eliminar

Exceptuando casos de linguagem imprópria, todos os comentários serão aceites.