sábado, 24 de agosto de 2013

À atenção de Almeida Henriques

                                             

Meu caro Almeida Henriques,

Tal como o amigo, gostava de saber em que medida Luciano Amaral me considera um campónio e iletrado. No meu caso, como da maioria dos viseenses, fazer prova de tal condição será complicado. Toda a vida vivi na cidade e, apesar de não ser um literato, considero ter uma biblioteca pessoal decente, contra factos! 
Continuando. Até entendo que destrate o senhor Luciano Amaral, no aconchego do seu lar, tal como eu o faço [É um prazer gozar com aquele caixa de óculos]. Agora, na qualidade de titular de dois cargos públicos e candidato ao mais alto cargo local, não posso concordar com a desvalorização que faz tanto da democracia como do papel da liberdade de expressão no seio desta. 
Como meu representante espero que, perante os Lucianos desta vida, diga sem reservas: "Discordo deste ignorante, mas defenderei até ao fim o seu direito à ignorância, como opção de vida, e a dizer todas as barbaridades que entender". 
Esta atitude, respeitará a memória de todos os grandes pensadores, mais ou menos, de direita de Tocqueville, passando por Churchill, até Sá Carneiro; confirmará a sua identidade como social-democrata [aqui não há como fugir ao Democrata]; deixará aos Estalinistas o que é próprio dos Estalinistas [limitação da liberdade de opinião]; e fará prova do que defendem os Viseenses, que a iletracia apenas existe na caneta do Sr. Luciano. 


Com todo o respeito,
Miguel Fernandes

13 comentários:

  1. Assinalo o "esquecimento" do facto que esteve na origem do artigo lamentável do Sr. Luciano - a distribuição de cheques com a concordância dos párocos à hora das missas, realizada por Fernando Ruas.

    ResponderEliminar
  2. Este Almeida Henriques...

    ResponderEliminar
  3. De Almeida Henriques, mais do que como Presidente da AM de Viseu e deputado à AR eleito pelo círculo distrital de Viseu, sobretudo como candidato à presidência da CM de Viseu e como tal, granjeador da simpatia e dos votos dos habitantes do concelho de Viseu, esta posição é perfeitamente expectável e compreensível. À luz da demagogia, nada a opôr!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo. Mas a demagogia não é o campo dos democratas, muito menos o campo dos Políticos [repare que o p é grande]! A Demogagia sobrevive nos campos férteis da banalidade, do inconsequente, da falta de ideias.

      Eliminar
    2. E desde quando Fernando Ruas liga a esses pormenores? Vale quase tudo para agradar aos eleitores! e comungou para ficar ainda mais bem visto?

      Eliminar
    3. Meus caros, Ruas é passado. E aqui a questão é a resposta ao sr. Luciano, não é o paroquialismo do sr. Ruas.

      Eliminar
    4. É passado mas continua vivo e a proteger o seu "afilhado" . Almeida Henriques...

      Eliminar
    5. Ruas anda ao lado de Almeida Henriques, mas a minar por trás. Ruas não gosta do sucesso dos outros. É defeito.

      Eliminar
  4. Acho que quem deve responder é Fernando Ruas. O contexto da crónica do Sr.Prof.Luciano são concelhos e quer apenas chamar de pacóvia a acção de Fernando Ruas, esse sim, é claro o insulto de pacóvio iletrado. A figura de Ruas e os seus diversos escândalos como presidente da câmara, e presidente da ANMP, ajuda a que coloquem todos os viseenses no mesmo saco. O mimo era para Fernando Ruas. Fernando Ruas cala-se e é melhor assim. Seria pacóvio responder e Ruas não sabe responder a provocações. Almeida Henriques que apenas em campanha acordou para as suas responsabilidades enquanto presidente da AM vem defender a dama. Um senhor que se diz democrata e apela à contenção de liberdades é um paradoxo. Ou o Almeida não sabe o que diz, tendo sido o inarrável Alves o autor das linhas, ou é preciso ter medo.

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro leitor,obrigado pelo elogio mas calma na linguagem, antes de comentar convém ler tudo. Eu próprio digo que Ruas é futuro: http://atribunadeviseu.blogspot.pt/2013/08/quero-o-meu-ruas-de-volta-jornal-do.html

      Podendo ser futuro, dependendo das opções que tomar, para estas eleições de 2013 é passado. Para 2017 cá estaremos.

      Eliminar
  6. Caro leitor, não publico porque o seu comentário não tem nada a ver com o post. Reformule lá isso.

    ResponderEliminar

Exceptuando casos de linguagem imprópria, todos os comentários serão aceites.