quinta-feira, 25 de julho de 2013

Da Tribuna [Jornal do Centro]


1. Debate: A candidatura de Hélder Amaral, na última semana, abriu a porta à realização de um debate. Quase de imediato as candidaturas de José Junqueiro e Manuela Antunes aceitaram o desafio. Em qualquer campanha, a ideia de que um debate será o “tira-teimas” final, a linha que separa os bons –sempre os nossos- dos maus –sempre os adversários- está algures entre o wishful thinking e a falsa ingenuidade, mas tal facto em nada diminui a necessidade que esta cidade tem de ser debatida. Se não vejamos, por um lado é praticamente impossível fazer uma avaliação séria de cada candidatura partindo das suas acções de rua; dos sound bites, repetidos ad infinitum e sem qualquer critério pelos compagnons de route de sempre; ou muito menos através da previsibilidade formatada dos “encontros temáticos” a que apenas assistem os “ultras” e, ocasionalmente, um ou outro curioso. O verdadeiro pensamento político exige mais, exige muito mais. Exige leitura, exige tempo para ser estruturado, exige contraditório para o credibilizar. Com a calendarização de um debate fica a ganhar não só o eleitor, a cidade e a democracia, mas também ficam a ganhar os candidatos que assim têm a oportunidade de frente a frente apresentar aquilo que os distingue. 

Ps: Dos candidatos, espera-se que recordem as palavras de Roger Scruton e se apresentem ao debate a “achar que o outro está enganado, em vez de ter a certeza que o outro está errado.”

2. Arte: Alguns estudiosos e bastantes curiosos defendem que a verdadeira arte apenas foi produzida em breves períodos históricos, por exemplo: na Grécia antiga, no Renascimento, ou até ao século XIX. Para estes cavalheiros o restante material – segundo eles, inútil- não poderá ser considerado arte no seu sentido mais nobre, sendo que toda a contemporaneidade dificilmente ultrapassa a pura fraude. De acordo com este ponto de vista, a arte contemporânea dificilmente entrará na grande linha evolutiva que constitui a história da arte. No pólo oposto, há quem afirme que só é digna de atenção a arte actual, ou seja, a arte pós-warholiana ou pós-conceptual, sendo tudo o resto obsoleto ou entendido como um freak show com o seu lugar reservado no cemitério das aberrações. Encontramos, portanto, a vanguarda contra a tradição, o novo contra o velho, o moderno contra o académico. O meu entendimento sobre arte tem por base um relativismo moderado: sem tradição dificilmente haverá modernidade e cada obra deve ser julgada de acordo com o momento histórico em que foi produzida. Já a realidade mostra que vivemos numa época de pluralismo, com um forte pendor de cruzamento de ideias e interdependência produtiva. No mundo das artes nada sobrevive fora desta “rede”. Serve esta introdução para recordar tanto aos (e)leitores como aos candidatos autárquicos que, ao nível municipal, a responsabilidade de apoiar, desenvolver e potenciar esta rede de relações de cooperação entre os diversos agentes cabe em larga medida à autarquia. Temos o museu Grão-Vasco, temos o Teatro Viriato, temos os Jardins Efémeros, o museu do Quartzo- com algum potencial-, o Jazz – graças ao Lugar do Capitão e à Girassol Azul- está a crescer, temos o público local. Falta um museu de arte contemporânea, um festival de Verão distintivo, diversificar a oferta - em termos qualitativos- e criar a dita rede de forma a dar alguma coerência e continuidade à programação. Só assim poderemos desenvolver novos padrões de “consumo” cultural, atrairemos novos públicos e afirmaremos Viseu como uma urbe moderna. Este Verão, espero que o (a) próximo(a) vereador(a) da cultura me acompanhe num longo passeio estival por “Art Worlds” de Howard Becker: “O trabalho artístico, tal como qualquer actividade humana, envolve a acção conjunta de um largo, por vezes muito largo, número de pessoas. É através desta cooperação que a obra de arte […] continua a existir […].As formas de cooperação podem ser efémeras, mas frequentemente tornam-se mais ou menos regulares gerando padrões de acção colectiva a que poderemos chamar um mundo da arte“. 


Sem comentários:

Enviar um comentário

Exceptuando casos de linguagem imprópria, todos os comentários serão aceites.