sábado, 18 de maio de 2013

Simplesmente Regine




"Toda a vida acreditou que a felicidade lhe estava vedada, nomeadamente a felicidade que se manifesta através do casamento. Comprometido com Regine Olsen, uma adolescente que não compreendia a sua melancolia, Kierkegaard decide romper o noivado. E escreve uma impetuosa confissão para afastar Regine. Exagerando os devaneios da sua boémia, assume a reputação odiosa de hedonista e cínico. Mais tarde há-de elaborar minuciosas objecções ao casamento enquanto escolha moral. Mas nunca deixou de amar Regine"

Sem comentários:

Publicar um comentário

Exceptuando casos de linguagem imprópria, todos os comentários serão aceites.