sábado, 21 de abril de 2012

J J

Noto que a comunicação social nacional não dá o devido valor aos políticos locais, particularmente aos oriundos de Viseu. Tendo em conta a predisposição genética dos nossos representantes para meterem os pés pelas mãos, considero esta uma falha grave. Em contraponto, esta semana, no Expresso, José Junqueiro é referido como tendo fama e proveito de ser um dos oradores mais truculentos do universo socialista. I told you so! O problema que se levanta é que da última vez que recorri a um dicionário o adjectivo truculento não era sinónimo de nada positivo. Pessoalmente, preferia ser representado por alguém a quem o adjectivo aplicado fosse, entre outros, um dos seguintes: articulado, prolífico, sábio, diligente. Do deputado Junqueiro, apenas espero que não olhe para estas palavras como o Paulinho Santos olhava para as canelas dos adversários. Esta Tribuna não é o João Pinto de ninguém. 

3 comentários:

  1. Mau, Miguel
    Então?!
    O Expresso, diz expressamente, de uma forma expressiva, que o copo de JJ caiu e não partiu.
    Que o incansável José Junqueiro, portanto, se não parte um copo, não parte um prato.
    Logo o Paulinho Santos quebra-canelas é um intruso nesta equação.
    Grande abraço ao Miguel e ao JJ

    ResponderEliminar
  2. Caro Alexandre,

    É um eleito por Viseu a liderar o ranking da truculência. Mau ranking para ser um dos nossos a liderar. Preferia uma liderança de outro tipo de ranking. Realmente o copo não partiu, mas uma tíbia intacta nunca fez o Paulinho Santos esmorecer. Também estou certo que Junqueiro sabe fazer melhor, muito melhor.

    Dava o meu reino (voto) por uma lista de deputados que além de cavalheiros fossem talentosos, tanto no verbo como na acção.

    O dia do deputado ideal seria: 8h30 - Entra no parlamento, após uma longa noite de poesia, enverga um fato de corte fino e olheiras; 9h00 - desmonta com eloquência os discursos de F. Louçã, V. Gaspar e J. de Sousa; 14h30 - lança as bases para a revogação do novo acordo ortográfico; 16h00 - avança na defesa da região; 17h40 - entrevistado para o diário económico; 18h15 - escreve o seu artigo para a revista LER; 18h45 - Envia uma caixa de bombons c/ respectivo convite para jantar, em papel timbrado, para Ana Drago que, na sua beleza renascentista, simplesmente não consegue recusar.

    Grande abraço para o Alexandre e para o JJ. Com votos de boas intervenções para o último.

    ResponderEliminar

Exceptuando casos de linguagem imprópria, todos os comentários serão aceites.