sábado, 25 de fevereiro de 2012

O relógio não pára


O relógio marca a hora, o fim de mandato justifica a necessidade de balanço (exercício longo, excessivamente detalhado, por vezes penoso, adormeci, de tédio, a meio. Da próxima KISS). Bom para quem vive o presente de olhos no passado. Indiferente para quem vive o presente de olhos no futuro. O que aconteceu no passado não se repetirá no futuro.
Tic...Tac...Tic...o tempo continua a passar não há resposta ao desafio. Sinal que nada muda. Afinal, nunca nada muda. Preocupante. Sá Carneiro, sempre, citado fora de contexto dá voltas na campa. Tic...Tac...Tic...Tac... O meu velho amigo Guilherme Almeida bem como a política, a nível concelhio, teriam tanto a ganhar. Imaginem o que um debate aberto, civilizado, frontal, sem necessidade de puxar da espada, sem golpes de rins, faria pela política local? De um lado Guilherme Almeida de uma geração mais nova, com tudo de bom que isso representa, do outro José Moreira com a sua visão política. A assistir comunicação social, militantes, cidadãos anónimos e finalmente Sá Carneiro citado no contexto exacto, no momento exacto. No fim uma vitória para a política local, uma vitória para os candidatos, uma vitória para o PSD, uma vitória para a cidade, o descanso merecido para Sá Carneiro. Tic...Tac...o povo já não perdoa falta de informação Tic...Tac...o relógio não pára!

PS: O PS também terá de pensar em realizar um debate nos mesmos moldes. Parafraseando Junqueiro: "O povo é inteligente e percebe quando lhe querem vender gato por lebre..." 

5 comentários:

  1. Caro Miguel Fernandes,
    No que diz respeito ao PS falta muuuiiitttoooo tempo, tudo indica que as eleições para as concelhias irão acontecer nunca antes de Maio e não se sabe se em simultâneo com as distritais.
    Para já, holofotes no PSD, a ver se se vê alguma coisa.
    E está difícil.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se no PSD se continuar a preferir o silêncio e a limitar o debate estamos mal! Se o PS seguir o mesmo caminho pior. Nunca é tarde para lembrar que mais do mesmo já não satisfaz. Se nos discursos de candidatura anunciam mudança e abertura é isso que devemos exigir.
      Abraço

      Eliminar
  2. De acordo! Não chega chegarem cheios de boas intenções e palavreado que se candidatam pelas pessoas, que querem criar dinâmicas e pluralismo, que vão estimular o debate e a participação da sociedade civil e depois o que assistimos é a mais do mesmo, fecham-se dentro do Partido presos que estão a compromissos e jogos de interesse. Estou curioso para ver que resposta vai surgir neste desafio! Aposto que vão andar a trocar galhardetes e a esgrimir argumentos até que chegue a hora das eleições e tudo fique como dantes! Veremos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se chegarem a esgrimir argumentos já não será mau... o certo é apesar dos discursos e intenções, tudo fica como dantes.

      Eliminar
  3. Promessas, promessas e mais promessas, depois do "poleiro" estar garantido, há mais que fazer...não há tempo para as "pieguices" prometidas. Salvo raríssimas excepções.

    ResponderEliminar

Exceptuando casos de linguagem imprópria, todos os comentários serão aceites.