sexta-feira, 17 de Outubro de 2014

Olho de Gato


Caro Olho de Gato, a oposição em Viseu não existe. A oposição de que nos fala Almeida Henriques é ser mitológico, sem qualquer base lógica ou racional, ao nível de uma cidade-região ou mesmo de um centauro, tudo muito interessante para fazer longos discursos mas inexistente na vida real.

quinta-feira, 2 de Outubro de 2014

Entretanto...

A lista Mais Pela JSD apresentou o seu Manifesto Eleitoral,  já a lista Agarra a tua Geração evita dar sinais de vida...

Dez ideias de negócio para a incubadora*

 
1- Barbearia hipster;
2- Tabacaria;
3-  Salão de massagens tibetanas;
4- Café com esplanada;
5- Casa de cópia de chaves e impressão de matriculas;
6-  Lavandaria;
7- Hamburgueria;
8- Casa de Gomas;
9- Máquinas de venda automática de sandes;
10- Imobiliária.
 
*Porque edifício já está pronto e o empreendedorismo tuga não é para meninos.

A Tribuna do Leitor



Recebi fotografias que provam que:

i) A moda dos banhos públicos foi breve, pois a piscina desapareceu.

ii) Ao fim de um ano de abandono o Parque Urbano da Aguieira parece a Amazónia profunda. Excelente para ser visitado por quem não tem disponibilidade para viajar ao Brasil;

iii) A oposição não existe;

iv) Os peitos da Jennifer Lawrence são fofinhos.

quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

Jota SD

Depois de agendado o debate, enquanto uma jota lança ideias a outra jota aparece e tenta agarrar uma geração via sondagem telefónica. A pergunta "Já decidiu o seu sentido de voto?" apenas merece como resposta "Já apresentaram ideias?".

segunda-feira, 29 de Setembro de 2014

Dez razões para uma nega!

1ª: "Nunca tendo sido convidado para nada, pelo que também não fazia sentido ir a esta cerimónia."

2ª: "Tendo sido cortado do protocolo e não estar a ser tratado da forma que considera correcta, são razões mais que suficientes para justificar a falta."

3ª: "Até podia ter alegado que não ia estar presente porque tinha o conselho nacional, mas prefiro invocar outras razões. Aliás, o facto de nunca ter sido convidado já é razão suficiente para não ter que invocar outras razões."

4ª: "Cheguei à conclusão que não me querem nas cerimónias e por isso não vou a nenhuma, quer dê jeito ou não"

5ª: "Até podia ter alegado que não ia estar presente porque tinha o conselho nacional, mas prefiro invocar outras razões. Aliás, o facto de nunca ter sido convidado já é razão suficiente para não ter que invocar outras razões."

6ª: "Deixei pronta a Quinta da Cruz, a Casa da Ribeira e a Incubadora na Rua Formosa, mas não sei como elas estão. Não fui convidado. Assim como não percebi porque não me convidaram para a inauguração da Feira de São Mateus nem para o jantar que houve com o primeiro-ministro."

7ª: "Isto é não ter consideração por alguém a quem se quer entregar um galardão. Não tem sentido o Viriato de Ouro, mais valia uma moção de censura"

8ª: "Queixa-se de ser tratado de forma pouco correcta e digna: "Até cartas registadas me enviaram, nem um telefonema podia ser feito." (...) "Não sei de onde veio este tipo de comportamento." (...) "Ao inicio ainda pensei que fosse esquecimento o facto de não ser convidado, mas depois de dez vezes já é uma decisão deliberada""

9ª: "O ex-autarca gostava ainda que a cerimónia de entrega do galardão fosse numa outra ocasião, recordando que das duas vezes que o entregou assim fez e combinou as datas com quem o ia receber."

10ª: "Quanto a este Viriato de Ouro, o ex-autarca diz que ponderará recebê-lo se "estiverem interessados em mudar o relacionamento, se as pessoas me tratarem com a dignidade que mereço e numa cerimônia autónoma", de outra forma, sustentou, "não há condições para receber o galardão".

sexta-feira, 26 de Setembro de 2014

Espírituoso


"Em vez de um Viriato de Ouro, mais valia uma moção de censura"*



*Fernando Ruas in Jornal do Centro

terça-feira, 23 de Setembro de 2014

Notas sobre a jota



1ª. A concelhia de Viseu da JSD existe.
 
2ª. A concelhia de Viseu da JSD tem líder (esta não é novidade é, mais, uma dúvida).
 
3ª. A concelhia de Viseu da JSD vai ter eleições.

4ª. A concelhia de Viseu da JSD pode e deve realizar um debate.
 
5ª. A concelhia de Viseu da JSD tem um candidato assumido.

6ª. A concelhia de Viseu da JSD tem um candidato pronto a debater.
 
7ª. A concelhia de Viseu da JSD tem uma segunda lista (ainda não assumida).

8ª. A concelhia de Viseu da JSD tem uma segunda lista que não pode recusar o debate.

10ª. A concelhia de Viseu da JSD para representar a juventude tem de falar para fora.

11ª. A concelhia de Viseu da JSD tem aqui uma oportunidade para fugir ao "cliché jota".

12ª. A concelhia de Viseu da JSD tem aqui uma oportunidade para fugir ao caciquismo.

PS: São novos demais para não perceberem as regras da democracia e como tenho aqui um post sobre a Molly Young ainda encravado, se me obrigam a voltar a escrever sobre a necessidade de realizarem um debate, não vai ser bonito.

Um ligeiro apontamento

O reconhecimento efectivo do povo ao trabalho de um político  faz-se em local próprio, as eleições. Aí o povo sempre reconheceu o seu valor, eleição após eleição nunca deixou de expressar reconhecimento. Por outro lado, o povo nunca ofereceu títulos, comendas, medalhas ou distinções públicas, isso sempre foi tarefa do poder com a qual o povo poucas vezes concordou. Não é por acaso que surge a expressão: "Foge, cão, que te fazem barão! Mas para onde, se me fazem visconde?". Ruas limitou-se a fazer o que o povo ordena "fugiu", "desviou-se". Ruas nunca deixou de ser do povo e isso tem valor.

segunda-feira, 22 de Setembro de 2014

Carta a uma jovem socialista



 
Cara Adelaide perdoe a intromissão, no entanto permita o esclarecimento.
 
Independentemente da boa vontade que a menina e a sua concelhia apresentem, e não duvido que ela seja o farol que guia toda a sua acção política, o PS Viseu não muda, nem mudará, no estilo ou no conteúdo. É um problema histórico, sendo demasiado complicado para ser dissecado na meia dúzia de linhas que aqui lhe deixo.
 
À vista desarmada, quer-me parecer que este é um problema genético, pois surge como transversal a todas as gerações de socialistas viseenses; sendo também do foro psiquiátrico pois nada justifica que gente aparentemente sã se sujeite, mesmo que por curtos períodos da sua vida, a determinadas circunstâncias. Depois, claro, temos os casos patológicos e consideravelmente mais graves daqueles que nas últimas décadas nada conseguiram fazer da vida, excepto política (que devem ser analisados à parte).*

Todavia, preocupado com o seu bem-estar, o conselho que lhe queria transmitir é o seguinte: Desista, pela sua saúde, desista já!
 
Bem vistas as coisas, não vale a pena bater em "cegos-que-não-querem-ver" ou grandes esforços da sua parte para mudar algo que mais ninguém quer mudar. Se há coisa que o tempo nos ensinou é que burro velho não muda e que por mais boa vontade que exista entre "socialistas honestos" o PS Viseu é, para todos os efeitos, um burro velho.
 
Lamento ser eu a quebrar-lhe assim a inocência, mas a realidade é que a luta pelo poder envolve muita mesquinhez, bastante ignorância e uma dose anormal de caciquismo.
 
 
Cumprimentos,
 
Miguel Fernandes

*: Se entender estarei disponível para desenvolver, de modo mais alargado, esta visão.